2facebook

Combater o assédio

assedio laboral

20170623CartaReivindicativaTrabalho por Turnos sintese 1

Leis & Direitos

Direitos de parentalidade



COVID 19 Perguntas e respostas 1024 3

conflict iranA CGTP-IN condena o bárbaro assassinato de um alto responsável militar do Irão por parte dos EUA. Um atentado que se insere na política de terrorismo de Estado dos EUA, perpetrado em outro país, o Iraque, sem autorização do respectivo governo e violando a sua soberania e o Direito Internacional.

Este ataque militar insere-se numa acção crescentemente provocatória, de desestabilização e agressão dos EUA e Israel no Médio Oriente, desenvolvida a partir de uma rede de bases e armas sem paralelo na região e no mundo, visando particularmente o Irão, mas também a Síria, o Líbano e a perpetuação da ocupação da Palestina.

 

A CGTP-IN denuncia as consequências que estas acções têm sobre as condições de trabalho e de vida dos trabalhadores desta região e de todo o mundo e o estímulo que dão aos sectores políticos e sociais mais reaccionários e obscurantistas; o desvio de recursos para o militarismo e a escalada armamentista; o aumento da exploração do trabalho, as injustiças e desigualdades; o cerceamento da liberdade e de direitos sociais e outros direitos democráticos.

A pressão dos EUA para envolver a NATO e a sua política belicista com vista a promover a guerra, a destruição, a miséria e a rapina dos recursos naturais destes países, em beneficio dos interesses americanos, confirma a necessidade de todos quantos se batem pela paz contra a guerra intensificarem a luta contra o imperialismo e a extinção da NATO.

Em consonância com o estipulado na Constituição da República Portuguesa, a CGTP-IN exige do governo português que condene este crime e acto de guerra, bem como a assumpção das medidas necessárias à imediata retirada das forças militares portuguesas do Iraque, cuja presença, como este crime demonstra, nada tem que ver com a defesa do interesse e segurança nacionais, mas antes com uma acção de apoio e cumplicidade com os EUA e os seus interesses na região.