2facebook

20170623CartaReivindicativaTrabalho por Turnos sintese 1

PETICAO PRECARIEDADE 250

SIESI Informa - Abril 2017

jornalsiesiCONTINENTE

Leis & Direitos

Direitos de parentalidade



Acção Sindical

electricista

A Fiequimetal voltou a apresentar, para vigorarem durante todo o próximo ano, pré-avisos de greve ao trabalho suplementar e ao trabalho prestado em dia feriado que, por escala, seja dia normal de trabalho. Desta forma, fica legalizada qualquer resposta de luta em empresas que não respeitem a contratação colectiva e valores mais favoráveis praticados usualmente.

A greve é convocada em defesa dos direitos dos trabalhadores, pela manutenção do descanso compensatório e das percentagens de acréscimo remuneratório, segundo as convenções colectivas aplicáveis e os usos e costumes das empresas.

Desde 1 de Janeiro de 2015, o trabalho suplementar passou a ser remunerado nos termos inscritos na contratação colectiva, terminando os cortes permitidos entre 1 de Agosto de 2012 e 31 de Dezembro de 2014.

No entanto, existem casos de empresas que, à boleia desta excepção, ainda tentam impor condições inferiores às que vigoravam antes dos cortes.

Em situações deste género, sempre que os trabalhadores e os seus sindicatos entendam necessário, será possível recorrer à greve a qualquer momento e pelo período que se mostre necessário, desde as zero horas de 1 de Janeiro e até às 24 horas de 31 de Dezembro de 2018. Pré-avisos de greve semelhantes foram apresentados pela Fiequimetal para os anos de 2015, 2016 e 2017.

Porque uma empresa com 586 mil euros de lucro pensa que ganha este valor apenas com a administração da empresa. Os trabalhadores que estão nas operações a gerar o lucro merecem, na esmagadora maioria, apenas o salário mínimo nacional, 1€ de aumento salarial em 2016 para uma boa parte dos trabalhadores, ou a empresa vir numa negociação a voltar atrás em 0,50€ de aumento do subsídio de alimentação em troca de 1,41% de aumento no salário, o que representa um valor mensal inferior. 
Querem enganar os trabalhadores com 'trocamos daqui, pomos ali porque não devem perceber nada de aritmética'.

magp

O plenário marcado pela comissão intersindical SIESI/SITE-CSRA para o dia 19 de Dezembro de 2017 foi impossibilitado pela administração da MagP, apesar da comparência de dirigentes do SIESI e da Comissão Intersindical, a quem foi barrada a entrada nas instalações da empresa.

salario minimo

A actualização do SMN e dos salários é um investimento com retorno garantido para os trabalhadores, as famílias, as empresas, o emprego e o desenvolvimento do país. Hoje está provado que a actualização do SMN deu um contributo para a evolução da economia, a criação de mais emprego e a redução do desemprego.

A proposta de 1,45 € diários reivindicada pela CGTP-IN é susceptível de ser concretizada pelas empresas, independentemente da sua dimensão. Não há nenhuma razão objectiva para que esta proposta não seja viabilizada.

Assim, apesar de haver um entendimento entre o Governo do PS e o BE relativamente ao valor de 580€ para o próximo ano, nada impede, pelo contrário, que o Governo assuma pela via legislativa a actualização imediata do SMN para os 600€.

 MG 0205

A situação mundial continua marcada pela crise estrutural do capitalismo que responde com medidas que acentuam a exploração, a concentração da riqueza, a apropriação e gestão dos recursos de regiões geoestratégicas, com o expansionismo nos planos político, económico e militar, e o ataque generalizado aos direitos dos trabalhadores.

ComunicadoPublicoThyssenkrupp

Os trabalhadores da Thyssenkrupp Elevadores, que emprega mais de 400 trabalhadores em todo o país, estarão em greve hoje, 7 de dezembro, das 00:00 às 24:00 horas. Para demonstrar a sua instatisfação, os trabalhadores fazem, também hoje, concentrações em vários pontos do país.

Os Sindicatos da Fiequimetal/CGTP-IN convocaram a Greve por existir várias situações dentro desta empresa multinacional alemã que ainda não estão solucionadas, tampouco houve acordo sobre a negociação salarial.

randstad2

Perante a falta de respeito pelas reivindicações dos trabalhadores da Randstad II - Prestação de Serviços para a melhoria de condições salariais e laborais, os trabalhadores decidiram fazer greve nos dias 30 de Novembro e 1 de Dezembro, 7 e 8 de Dezembro, 25 e 26 de Dezembro e 1 e 2 de Janeiro.

Os motivos da greve são:

  • A negociação efetiva das reivindicações salariais, subsídio de refeição, carreiras, discriminações e outras apresentadas através de caderno reivindicativo apresentado à empresa e que a empresa tenha abertura para discussão das matérias apresentadas;
  • Pelo fim da instabilidade e da tentativa de extinção/deslocalização de postos de trabalho, ações que se inscrevem numa estratégia de recurso a empresas de prestação de serviços, com o único objetivo de, através da precarização dos postos e condições de trabalho dos trabalhadores que prestam um serviço imprescindível à atividade e obrigações das empresas que a elas recorrem (EDP, VODAFONE, PT/MEO, NOS, NESTLÉ, L´OREAL, etc.), aumentarem os seus lucros em milhões.
  • Pela reposição do pagamento em regime de trabalho suplementar para os trabalhadores que sofreram corte do pagamento da prestação em dias de feriado.
  • Pelo cumprimento da lei nas matérias laborais.
  • Pelo fim da coação e do assédio aos trabalhadores antes e depois da realização das greves nos locais de trabalho.

Ler Comunicado aos trabalhadores

 trabalho
A CGTP-IN exige do Governo que retome rapidamente as negociações, no sentido de concluir a prometida revisão do regime das reformas antecipadas abrangendo todas as actuais situações de antecipação.